Oficina do Plano de Urbanização – Subsetor A1

Oficina do Plano de Urbanização – Subsetor A1
Grupo de Gestão  promove oficina participativa  

 

Paralelo às atividades de desenvolvimento das propostas para o Concurso Público Nacional e visando qualificar o Plano de Urbanização para o Subsetor A1, o Grupo Gestor da OUC Água Branca, com o suporte técnico e produção da equipe de projeto da SPUrbanismo, promoveu através do processo participativo uma Oficina com a sociedade civil realizada em 22 de fevereiro de 2015, no Auditório do Centro de Treinamento da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), localizado no Subsetor A1.

 

A Oficina contou com a participação de 50 munícipes de diferentes associações e organizações e um programa que se desenvolveu ao longo do dia com atividades conceituais e lúdicas coletando as demandas, desejos e expectativas dos munícipes que residem e/ou trabalham na área do perímetro da OUC Água Branca e seu perímetro expandido.

 

Para consultar os resultados consulte o site www.gestaourbana.sp.gov.br

post

Edital Atualizado

ATENÇÃO: A COORDENAÇÃO DO CONCURSO ANUNCIA QUE UMA NOVA VERSÃO DO EDITAL, ATUALIZADO FOI REPUBLICADO NO DIA 12.03.2015. A ALTERAÇÃO DIZ RESPEITO À INTRODUÇÃO DE REGRAS CLARAS PARA A PARTICIPAÇÃO DE CONSÓRCIOS NESTE CERTAME.

EM FUNÇÃO DESTA ALTERAÇÃO A COORDENAÇÃO DELIBEROU POR UM ACRÉSCIMO DE DEZ DIAS NO CRONOGRAMA DOS TRABALHOS. A AMPLIAÇÃO DOS PRAZOS JÁ ENCONTRAM-SE INCORPORADAS ÀS BASES DO CONCURSO.

 

Conversa Aberta | Concurso Subsetor A1

Foi realizada no último dia 05/03 uma Conversa Aberta sobre o Concurso para Plano de Urbanização do Subsetor A1 da Operação Urbana Consorciada Água Branca, com o objetivo de estimular as discussões e propostas qualificadas para a região.

Participantes:
Bruno da Silva Movimento Água Branca e conselheiro de ZEIS na Operação Urbana Consorciada Água Branca.
José Armênio de Brito Arquiteto urbanista e Presidente do IABsp.
Leandro Medrano Arquiteto urbanista, Prof. Dr. no departamento de história na FAUUSP
Maria Elena Ferreira da Silva Representante dos moradores do perímetro expandido no Grupo de Gestão da Operação Urbana Consorciada Água Branca.
Paula Santoro Arquiteta urbanista, Prof. Dra. representante da FAUUSP no Grupo de Gestão da Operação Urbana Consorciada Água Branca.
Vinicius Andrade Arquiteto do Andrade Morettin Arquitetos, coordenador do Concurso

Organização
observaSP | LabCidade FAUUSP

Apoio
IABsp
Fundação FORD
Veja no link abaixo o vídeo do evento:
http://www.labcidade.fau.usp.br/arquivos/video_concurso.mp4

____________________________________________________________________

Atenção: foi identificada uma pequena inconsistência na numeração das clausulas do Edital e por esta razão, o mesmo foi substituído hoje 20/02/2015 nas bases do concurso. Informamos que a correção efetuada não altera o conteúdo do Edital.

A Coordenação

Confira o edital atualizado: http://iabsp.org.br/concursoaguabranca/index.php/bases/ 

post

apresentação do concurso

A São Paulo Urbanismo – SP Urbanismo, entidade promotora, e o Departamento de São Paulo do Instituto de Arquitetos do Brasil – IABsp, entidade organizadora, instituem o Concurso Público Nacional de Estudo Preliminar para o Plano de Urbanização do Subsetor A1 no perímetro da Operação Urbana Consorciada Água Branca.

O Concurso será realizado em uma única etapa para selecionar a melhor proposta de Estudo Preliminar e, posterior elaboração de projeto básico completo, que propicie as infraestruturas necessárias e a qualificação do ambiente urbano, o que inclui necessariamente as questões da mobilidade, lazer, equipamentos públicos e habitação de interesse social, tendo como premissa a adoção de um sistema viário fornecido, a partir dos parâmetros da lei que instituiu a OUC Água Branca.

O Plano de Urbanização desta área é uma oportunidade para inaugurar um processo de transformação dos rios, suas margens e adjacências, territórios da cidade historicamente ignorados, desvalorizados e tratados como “fundo urbano”. O objetivo é reverter esta situação que perdura há décadas nestas regiões a fim de torná-las protagonistas da cidade através de uma abordagem nova que trate a várzea não como um hiato urbano apartado, mas como uma “frente urbana” inserida, dinamizando a interação entre a população e a cidade e regenerando o seu tecido urbano tanto no âmbito físico e ambiental quanto no econômico e social.

Esta área deverá também prover habitação digna à população de baixa renda. Isso significa que aliados aos conjuntos habitacionais deverão ser implantados equipamentos públicos educacionais, culturais, esportivos e de saúde que funcionem de suporte, não só aos moradores do local, mas a usuários de toda parte.

Neste contexto, o espaço público desempenha o importante papel de articular tanto física quanto visualmente a cidade com a sua frente do rio. Deste modo, a proposta deverá ser fundamentada na aproximação da população com o rio através de um sistema de áreas verdes, da adoção de fruição pública e permeabilidade espacial e da articulação do entorno com a implantação de uma passarela de transposição não motorizada sobre o rio Tietê.

 

post